capa

Preparador físico da seleção feminina de vôlei mostra como aproveitar quarentena para se exercitar

Em vídeos, Zé Elias revela como atos diários ajudam no condicionamento

publicidade

O preparador físico da seleção brasileira feminina de vôlei, José Elias de Proença, ou apenas Zé Elias como é conhecido, desenvolveu um programa on-line com sugestões de exercícios físicos para serem realizados dentro de casa. Mestre em Educação Física e Doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP), Zé Elias vem disponibilizando vídeos, desde o último dia 21, em suas redes sociais, e também os compartilha nas redes do Centro Dois Andares - idealizado pela medalhista olímpica do vôlei Ana Moser - do qual é coordenador pedagógico.

Zé Elias diz que a proposta é aproveitar este periodo de distanciamento social, devido à pandemia de novo coronavírus (covid-19), em benefício da saúde mental e física. "A ideia está relacionada a movimentos do dia a dia. Por exemplo: quando sentamos, normalmente jogamos as costas em direção ao encosto da cadeira e projetamos o quadril para frente. Com isso, tórax e cabeça vão para trás e há uma sobrecarga na região lombar, por falta de sustentação dessa musculatura, criando uma resposta de dor", detalha.

"(Para combater as dores) Usamos uma mecânica simples de enrolamento e de endireitamento do tronco: deixar o tronco cair para frente e voltar à verticalidade mesmo estando sentado, com a consciência dos músculos que estão sendo utilizados nesta ação e sugerindo nisso uma prática diária para desenvolver essa musculatura de sustentação. No que parece simples nos movimentos diários, vamos conscientemente realizar as repetições, condicionando nosso corpo em atividades moderadas e melhorando o sistema imunológico", explica.

O objetivo, conforme o especialista, é publicar cinco vídeos por semana, com exercícios criados pela equipe do centro do qual é coordenador. Eles englobam elementos de ginástica laboral para quem está trabalhando de casa (home office) e aulas de funcional com utensílios caseiros, por exemplo.

"Os estudos sobre práticas corporais em casa apontam muitas variáveis a serem obedecidas. Com as repetições (dos exercícios) e tentando fazê-las diminuindo o tempo, há uma solicitação de resistência, uma solicitação neurológica um pouco mais intensa e, claro, trabalha-se o sistema endócrino. Esse sistema, quando estimulado, libera substâncias químicas no organismo que dão a sensação de bem estar, como a serotonina e a endorfina. As práticas devem ter intensidade, não sendo feitas de forma muito amena, mas, claro, sem exacerbar muito o estímulo porque aí pode acabar desgastando o corpo em um momento que precisamos de defesa", conclui.

 Agência Brasil


compartilhe