capa

'Projeto verão': veja os erros mais comuns

Para obter sucesso na academia é necessário força de vontade, disciplina e determinação


publicidade

Foi dada a largada para corrida do "corpo perfeito" em curto prazo e essa competição é repleta de obstáculos perigosos que podem causar diversos malefícios à saúde. Para fazer sucesso no verão e conquistar a silhueta que se busca, o projeto deve começar um ano antes e ter acompanhamento de profissionais. Assim, é possível alcançar os objetivos de forma gradual.

“Com a proximidade do verão, algumas pessoas retomam as atividades na academia na esperança conquistar um corpo esbelto rapidamente. Muitas apelam para dietas milagrosas, algumas pulam as refeições, outras deixam literalmente de comer, exageram no tempo de treino ou tomam remédios sem prescrição médica. Vale ressaltar que não existe fórmula mágica e, sim, força de vontade, disciplina e determinação”, declara o coordenador fitness da Fórmula Academia Praia de Belas Ricardo Volpato.

Veja os erros mais comuns na busca do tal "corpo perfeito" para o verão:

1. Treino excessivo

Com a proximidade da estação quente, as pessoas resolvem intensificar o treino para recuperar o tempo perdido. "Aumentar a permanência na academia, duplicar o número de aulas, exagerar na carga na musculação, não respeitar o tempo de descanso são atitudes que prejudicam a saúde muscular", diz Volpato.

Além disso, alterar o treinamento de maneira aleatória resulta em sobrecarga e fadiga muscular. Ao notar que a tão esperada boa forma está longe de ser conquistada, outros sintomas começam a ser notados em função do overtraining. O primeiro é a queda no rendimento, levando a pessoa a entender que o problema é falta de treino, quando o correto é o descanso.

"O excesso de atividade pode causar aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos, insônia, queda do sistema imunológico e para o corpo que não está adaptado a rotina de exercícios existe o risco de lesões nos músculos e nas principais articulações como joelho, ombro, quadril e tornozelo", avisa.

2. Dietas 'milagrosas'

Elas estão disponíveis em todos os lugares - sempre tem alguém para indicar mais uma - e todas abominam a ingestão de carboidratos. A falta desses carboidratos prejudica a eliminação e queima da gordura e pode provocar a Cetose responsável por mau hálito, gosto desagradável na boca e náuseas.

"O falso emagrecimento acontece por causa da perda de água das células musculares, levando ao efeito rebote. Uma dieta irresponsável aliada à prática de exercícios acarreta queda no desempenho e risco de desmaios durante o treino", alerta Volpato.

3. Uso excessivo de suplementos e remédios para emagrecer

Criados para suprir a falta de nutrientes no período de dieta, os suplementos devem ser consumidos de maneira correta e com orientação nutricional. "O uso excessivo sobrecarrega o fígado, rins e pode causar parada cardíaca, entre outras doenças como o câncer", avisa o profissional.

Há vários tipos de suplementos disponíveis no mercado. Os mais utilizados são os hiperproteicos, compostos de aminoácidos, matéria prima para a formação dos músculos. Estudos demonstram que um indivíduo comum tem em média uma absorção de 0,8 gramas de proteína por quilo corporal e no máximo 1,4 para pessoas treinadas.

Outro risco para a saúde é uso de medicamento para emagrecer. Cada organismo reage de maneira variada e os principais sintomas são: mau humor, boca seca, dores de estômago, taquicardia, tontura, pressão alta e visão turva. "É fundamental ter prescrição e acompanhamento médico sempre."

4. Uso de anabolizantes 

É outro recurso utilizado para conquistar o "corpo perfeito". A maioria destes produtos é composta por testosterona, hormônio encontrado em maior quantidade em homens. Seus efeitos colaterais são inevitáveis e costumam aparecer logo após o uso. Documentado, atualmente, são 69 sintomas. "A pessoa pode desenvolver problemas no fígado, por exemplo, câncer, redução da função sexual, derrame cerebral, alteração de comportamento com aumento da agressividade, nervosismo e acne", elenca Volpato.

Em adolescentes, independente do sexo, ocorre parada prematura do crescimento, resultando na diferença de altura em relação aos não usuários de anabolizantes. A parada brusca do uso produz sintomas como: abstinência, depressão, fadiga, insônia, diminuição da libido, dores de cabeça e musculares.

5. Hipertrofia em curto prazo

O desejo de ter músculos definidos em curto prazo é algo totalmente ilusório. "Estudos comprovam que para conseguir aumento de massa muscular é necessário treinar regularmente e de maneira correta por mais de 90 dias. Antes deste de período, o indivíduo tem ganho de força neuromuscular que representa o aumento da força conquistado por causa da coordenação motora e desenvolvimento das sinapses entre o cérebro e o músculo - tal fato permite a contração muscular", orienta o especialista.

 6. Desidratação

Causada pela perda de sais minerais e líquidos pelo corpo, pode provocar diversos problemas a saúde e exige atenção especial por parte de atletas e praticantes de atividades físicas. Conforme o coordenador fitness, a perda de líquidos é aumentada durante a execução dos exercícios. "Além de desidratar, pode causar fadiga precoce, situação que acarreta problemas físicos e de performance. Os sintomas mais comuns da desidratação são: dor de cabeça, fraqueza, câimbras e tontura."

Segundo Volpato, antes de dar início ao projeto verão é de extrema importância realizar um check up. "Ter consciência dos cuidados necessários é a primeira atitude para ter saúde, qualidade de vida e, desta maneira, conquistar o corpo perfeito de maneira equilibrada e com orientação de profissionais capacitados", finaliza.


compartilhe