capa
Bem - Estar

Tabagismo é mais nocivo à saúde da mulher; veja os riscos

Especialista dá orientações sobre como se livrar do vício

publicidade

Segundo dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 7,6% das mulheres brasileiras têm o hábito de fumar. Apesar de o número entre os homens ser maior (11,7%), o público feminino merece atenção especial quando o assunto é cigarro.

De acordo com o chefe do Serviço de Pneumologia do Hospital São Lucas da PUCRS, José Miguel Chatkin, no Brasil, as pré-adolescentes e as adolescentes e, de modo preocupante também as crianças, começam a fumar em percentual progressivamente mais alto e com maior frequência que os meninos. 

“Talvez ainda seja um modo de pensar que o uso de tabaco possa ser uma forma de liberdade, semelhante ao que os garotos acreditavam há cerca de 40-50 anos, mas é um pensamento errôneo e ultrapassado. Fumar não traz liberdade, mas sim escravidão à nicotina”, alerta o médico. 

Prejuízos para elas

Chatkin explica que, a mulher que fuma como homem, na maioria das vezes adoecerá e morrerá como um homem, isto é, terá as situações similares independente do sexo, pois o problema causador é mais relacionado à carga tabágica do que o gênero da pessoa.

Porém, em relação aos cânceres, por exemplo, o tabagismo triplica o risco para câncer de colo uterino. “Além disso, as fumantes têm maior dificuldade em engravidar. O tabaco também é um fator de risco para gravidez tubária e/ou ectópica.

Aliás, um dos problemas do tabagismo na mulher é o uso de tabaco durante a gravidez, em qualquer de suas formas. “Hoje há evidências incontestáveis de que o feto sofre muito com a gestante fumante, pois muitas substâncias tóxicas atravessam a placenta”, comenta o médico.  

Com isso, há maior frequência de abortamentos espontâneos, prematuridades, desmame precoce, morte súbita do recém-nascido, recém-nascidos de baixo peso e maior probabilidade de doenças respiratórias infantis. “Também está demonstrado que a grávida fumante tem maior possibilidade de que seus netos sejam asmáticos, mesmo que a mãe do nenê, sua filha, não seja fumante”, complementa.   

Como parar de fumar

Fumar 20 cigarros por dia (um maço de cigarros) significa a inalação de 15 a 20 aspirações profundas. Esta simples multiplicação indica que este fumante introduziu em seu organismo de 300 a 400 doses de uma droga em um único dia. Esta atitude pode durar 20 a 30 anos! Não existe nenhum drogadicto que se injete ou inale diariamente esta dose de cocaína, crack, nem mesmo maconha.

“Devemos lembrar que tabagismo é uma doença, como pneumonia, fratura óssea ou qualquer outro agravo à saúde. Portanto, precisa ser tratada por profissional de saúde treinado para tal”, lembra Chatkin.

Que tal incluir como uma das metas de 2022 parar de fumar? O médico separou algumas dicas que podem te ajudar:

- Preparar-se mentalmente para essa virada de chave, especialmente para os possíveis efeitos da abstinência, como ansiedade, irritabilidade; essa síndrome pode ser manejada com auxílio do pneumologista;

- Intensificar ou iniciar hábitos saudáveis que possam minimizar a ansiedade, como a prática de esportes ou hobbies de sua preferência;

- Se não conseguir interromper repentinamente, pode-se programar a parada progressiva, estimulando redução de cigarros a cada dia ou a cada semana. Mas essa estratégia costuma a facilitar a recaída/fracasso, pois com a continuidade do uso pode aumentar o volume de cigarros consumidos;

- Existem várias formas de tratamentos medicamentosos a serem prescritos pelo médico, que ajudam muito a tornar menos difícil esta jornada. O uso de adesivos e gomas de nicotina é indicado e pode ajudar no processo; a nicotina em si, apesar de ser a causadora do vício ou adição, não ocasiona problemas maiores. Os malefícios do tabagismo estão relacionados às mais de 7000 substâncias existentes na fumaça do cigarro, muitas de indubitável efeito relacionado ao câncer;

- É preciso entender que a recaída não é uma questão de fracasso ou de fraqueza, mas sim faz parte de um ciclo de aprendizado dos motivos das recaídas, que culminará em sucesso. Vencer um vício de muitos anos pode não ser conseguido nas primeiras tentativas. A média de tentativas para parar de fumar é de seis a oito vezes.

por Mariana Nunes

Mariana Nunes é jornalista. Ama café, praia, chocolate e futebol - não necessariamente nessa ordem. É torcedora fervorosa do Internacional e repórter do Bella Mais. @a_marinunes


compartilhe