capa
Arieli Groff

Você educa seu filho? Desejo que não!

Como romper velhos padrões em prol de uma criação mais respeitosa?

publicidade

Não, não estou estimulando a falta de limites ou negligência materna. Me dê um voto de confiança.

Fui pesquisar o significado da palavra EDUCACÃO, e tudo que desejei foi não educar minha filha do jeito que a definição formal de educação me orienta a fazer.

Achei por exemplo: “Ação ou efeito de educar, de aperfeiçoar as capacidades intelectuais e morais de alguém”, e também “aplicação dos métodos próprios para assegurar a formação e o desenvolvimento físico, intelectual e moral de um ser humano”.

Essas foram somente algumas, mas nenhuma, absolutamente nenhuma, definição de educar fala em: afeto, emoções, potencialidades, curiosidade, criatividade, amorosidade, respeito e consciência.

Ora, ora, ora... Se o ato de educar não envolver a prática de tudo isso aí, eu desejo fortemente que você não esteja educando seu filho.

E aí, decidi: vou criar o meu conceito de educação. Vou colocar em palavras aquilo que acredito, para me lembrar todos os dias de como educar, de fato, minha filha.

Educação para mim, é: ato de respeitar uma criança, criando um ambiente propício para potencializar suas habilidades, estimulando sua curiosidade e criatividade, interagindo de forma consciente com práticas afetivas e amorosas que estimulem e fortaleçam seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

Uma criança que cresce sendo respeitada, sendo vista, sendo sentida em suas necessidades, potencialidades e limitações, será um adulto que respeita os outros, que é empático às necessidades do outro, que constrói sua ética pelas referências que aprendeu.

Se fizer sentido para você, agora, sim: vamos educar nossas crianças?!

por Arieli Groff

Arieli Groff é mãe da Maitê e psicóloga, especializada em Luto Adulto e Infantil e Teoria do Apego. Idealizadora do Instituto Pirilampos voltado para maternidade e infância. Escreve sobre maternidade e infância todas as semanas aqui no Bella Mais.


compartilhe