capa
Camila Saccomori

Lendas urbanas, internet e crianças

Camila Saccomori relembra lendas urbanas antigas e reforça a importância do diálogo com os filhos


publicidade

Lendas urbanas envolvendo brinquedos e personagens: quem nunca ouviu uma dessas histórias? Nós que hoje somos pais e mães tivemos quando crianças muitas marcantes, como a boneca da Xuxa, com fama de assombrada, e o boneco do Fofão, que teria um punhal dentro.

Na nossa infância offline, esses boatos se espalhavam na escola e o resultado eram crianças apavoradas em casa com tanta maldição no que deveria ser lúdico.

Décadas antes, a fama de assassina cabia à boneca de porcelana Anabelle, que executava "atividades demoníacas" e que até virou filme.

Na atual infância digital, nossos filhos encontram uma tonelada de novas assombrações a cada vez que abrem o YouTube. Figuras como a Momo ou o desafio da Baleia Azul ainda estão por aí no lixo digital. O mais recente que tem chamado a atenção das autoridades usa imagens deformadas do personagem Pateta.

Uma das delegadas à frente do caso resumiu: “Deixar um filho sozinho na internet é o mesmo que abandonar uma criança no meio da rua na madrugada”, disse Patricia Zimmermann, coordenadora da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso em SC.

Minha filha de 9 anos me mostrou um vídeo do canal "Você Sabia?", que traz curiosidades sobre assuntos como Pirâmides do Egito e até nuvem de gafanhotos. Os caras estavam falando da lenda da boneca Anabelle. Aproveitei o gancho pra contar sobre a boneca da Xuxa, o Velho do Saco e os discos tocados ao contrário. Mais uma vez conversamos sobre a orientação: levar ao conhecimento de um adulto qualquer tema que cause desconforto, medo ou confusão na cabecinha deles.

Tem outra lenda urbana nos vídeos de youtubers, o tal do ZAP, homem mau, oculto, assustador.

Crianças pequenas que caiam desavisadas neste conteúdo vão achar que é verdade. Cada vez que escrevo sobre o tema do lixo digital faço buscas na internet e fico surpresa como o arsenal de coisa ruim só aumenta.

É preciso estar atento e forte. Ainda mais durante uma pandemia.

por Camila Saccomori

Camila Saccomori é mãe da Pietra e jornalista especializada em Primeira Infância. Escreve conteúdos para famílias no projeto @vamoscriar. A cada 15 dias, compartilha no Bella+ dicas para criação de filhos e temas contemporâneos da parentalidade.


compartilhe