capa
Fabiana M. Machado

Recalculando: a busca de harmonia entre a mente e o dinheiro

Em meio aos efeitos da pandemia nas finanças, Fabiana M. Machado lembra que precisamos equilibrar nosso lado racional com nossas emoções - mesmo quando se trata de dinheiro

publicidade

A pandemia revirou tudo, desacomodou e afetou a vida financeira de muitos negócios e pessoas. Mesmo diante de tantos desafios emocionais, o lado racional chama para equacionar uma conta, ou melhor, as contas no fim do mês… e também nos próximos meses, próximo ano (que já está logo ali) e não, não há trégua.

Não há como fugir. É preciso encarar a vida como ela é e uma saída é recalcular a vida financeira para esse “novo normal”.

Novo normal que exige otimismo, inovação, ação para mudanças rápidas, ao mesmo tempo que a realidade mostra doenças, desemprego, medo, tristeza, desespero e mortes. Como é difícil equacionar essa conta. Mas é preciso, pois a vida segue. Quem não gostaria de sentir a dor do momento em total quietude e despreocupação, mas a razão diz para seguir a qualquer custo, até mesmo por questão de sobrevivência?

E o dinheiro pode continuar sendo visto de forma lógica e racional. Mas será que agora, depois dessa longa e dolorosa experiência com a pandemia, chegou a hora de agir e seguir a fórmula para ter inteligência financeira e fazer bons investimentos, conquistar um trabalho que traga rendimentos enquanto tem uma tranquila noite de sono, fazer a óbvia (por que não fiz antes?) reserva financeira e estar preparado para o futuro de aposentadoria, alegria e, quem sabe, até outra pandemia?

E o que fazer até chegar nesse futuro, como pagar as contas em dia (o que é desafiador para a maioria da população brasileira), lidar com as angústias e medo da falta mesmo tendo dinheiro, buscar segurança torcendo para não ter nenhum contratempo e aprender a economizar mesmo que o desejo incessante do consumo não desapareça? São dilemas que o dinheiro traz. Mas até que ponto conscientes?

Chame para essa conversa também as emoções, pois sempre estarão presente nos mais diversos comportamentos e decisões. Repensar a vida, ser otimista e lidar com o medo pode fazer agir. Mas mudar hábitos pode exigir um pouco mais.

Por isso, acredito que recalcular a vida financeira pode ter duplo sentido: refazer o planejamento, encontrando alternativas para lidar com a realidade, e melhorar a relação com o dinheiro.

Recalcular não apenas pensando no futuro ou emergências, mas também em como viver bem durante a longa caminhada até lá. Com certeza, ter dinheiro sempre; afinal, não se vive bem sem ele. Mas que seja também em harmonia. Não se frustrando por não conseguir excelentes investimentos que permitam dormir o sono dos anjos. Não se envergonhando por não ter a mente de um milionário. Não se entristecendo se não estiver vivendo o propósito neste momento pandêmico. Não se desesperando se não conseguir inovar. Vida real. Pés no chão.

Recalcular faz parte de todo o planejamento, que dá um norte e clareia o horizonte, mas pode mudar a qualquer momento. E esteja disposto a mudar, mas não abra mão de viver em harmonia com o dinheiro.

Quer saber mais? Acompanhe a minha coluna semanal aqui no Bella Mais. Vamos juntas nesta jornada!

por Fabiana M. Machado

Fabiana Mendonça Machado é especialista em comportamento financeiro. É casada, mãe de dois filhos, empresária e uma das fundadoras da MoneyMind. Escreva para fabiana@moneymind.com.br para contar se este texto foi útil para você. @fabiana.m.machado


compartilhe