capa
Gisele Berardi

Faço dieta o dia todo mas não me seguro à noite. O que fazer?

Gisele Silveira Berardi fala sobre os motivos que levam muitas pessoas a sair da dieta à noite

publicidade

Muitas pessoas conseguem estabelecer uma rotina de dieta durante todo o dia - ou mesmo quando não estão seguindo dieta, conseguem manter o consumo de alimentos sem compulsionar durante o dia todo - mas quando chegam em casa, a vontade de comer alimentos mais calóricos ou em grande quantidade chega junto. Por que isso acontece? Claro que cada caso é um caso, e por isso defendo a individualidade bioquímica, mas de modo geral destaco alguns fatores que explicam essa situação:

Ingestão calórica insuficiente durante o dia

Você passa o dia cheio de tarefas e atividades e mal se alimenta. Como está ocupado, muitas vezes quando tem fome, simplesmente não se dá conta. Quando o organismo percebe que vai fechar a conta no negativo, isto é, abaixo da calorias necessárias para sobreviver, simplesmente pede comida e você não se segura. Com o tempo isso vai virando seu padrão alimentar: o corpo está acostumado a ter fome maior toda noite. Se você mudar a rotina, modificar as escolhas alimentares durante o dia e principalmente prestar atenção nos sinais que seu corpo manda, consegue mudar esse padrão alimentar que está errado.

Falta de lanche da tarde ou almoço com poucas calorias e pouca proteína

Não precisamos de refeições de 3 em 3 horas. Isso já está claro, mas algumas pessoas precisam de lanches intermediários entre as refeições principais. Estes lanches muitas vezes vão servir para o controle da fome na próxima refeição, portanto, se você ataca até as paredes, experimente consumir um lanche no período da tarde ou ainda experimente aumentar as porções dos alimentos no almoço, principalmente da proteína, pois ela auxilia na saciedade.

Televisão, notícias, novelas e dramas

 Você sabia que aquilo que assistimos na tevê interfere diretamente na nossa produção hormonal. Quando assistimos muitas notícias ruins (o que é bastante comum nos nossos telejornais) produzimos menos hormônios de felicidade e, portanto, buscamos o bem-estar na comida. Eu costumo dizer sempre que nutrição vai muito além do que você come. Também está ligado ao que você sente, você vive. Experimente ouvir uma música relaxante ao invés de ligar a tevê quando chega em casa. Ao invés de viver o drama da novela, ouvir uma canção que lhe traga boas lembranças: pode ter certeza que isso vai interferir nas suas escolhas alimentares. Não me julguem mas, desde que eu li artigos sobre a interferência que a tevê trazia sobre nossa produção hormonal, a aboli da minha rotina, no máximo os desenhos da minha filha Antônia (nesse caso me fazem mais rir do que qualquer outra coisa).

O alimento se tornou recompensa pelo cansaco

É normal fazermos essas recompensas na rotina. Passamos por muitos perrengues, muito estresse, trânsito durante o dia, chefe cobrando metas. O alimento surge como um carinho à noite. Mas aí cabe a nós colocarmos cada coisa no seu lugar. Ter momentos que nos tragam satisfação durante a semana estressante – como atividade física mais frequente, técnicas de meditação, conversa com amigos, um chimarrão em família – isso sim são carinhos e recompensas ao nosso estresse. A comida não pode e não deve ocupar um papel maior do que é dela.

Citei aqui apenas quatro motivos para você não estar conseguindo se manter em dieta à noite, mas existem outras tantas. Se alguma delas se encaixa na sua rotina, reflita e veja se consegue mudar algum ponto. Você se identificou em algumas delas?

 


compartilhe