capa
Mariana Klein

Férias da empreendedora: existem? Onde vivem? Do que se alimentam?

Mariana Klein fala sobre a organização necessária para conseguir tirar o merecido descanso


publicidade

Chegamos à última semana do ano. Quando você ler esta coluna eu estarei em recesso, possivelmente lendo, cozinhando, andando de bicicleta ou assistindo a um filme. É maravilhosa a sensação de parar tudo por alguns dias e recarregar as baterias. É necessário parar por alguns dias, já comentei aqui na coluna que a criatividade depende desses momentos de ócio.

Mas (e eu sinto até uma certa vergonha disso) nem sempre foi assim. No começo do meu trabalho como empreendedora, eu sentia aquilo que apresentei na coluna da semana passada: meu trabalho nunca era suficiente, eu nunca era suficiente. Então eu baixava a cabeça e trabalhava. Durante um ano eu contabilizei 60 horas de trabalho semanal entre clientes e sala de aula. Eu dava aulas praticamente todas as manhãs e todas as noites, e durante as tardes atendia as demandas da minha pequena agência.

Lembro que, chegando perto do fim do ano, eu tomei café da manhã chorando de cansaço algumas vezes, e isso não é forma de dizer, realmente rolavam lágrimas. Corta para 2019 (quase 2020) e eu tenho uma rotina agendada de férias, recesso, feriados e viagens curtas de vez em quando para aproveitar a vida com meu marido. Como?

Quando falamos de férias, pensamos naquele cenário clássico de CLT, em que obrigatoriamente temos que nos afastar por um período combinado com o empregador, recebemos um valor antes da folga e um colega assume nossas funções enquanto descansamos. Não é assim na vida da empreendedora.

Para tirar férias, recomendo criar um plano:

1. Quando você vai tirar férias?

Defina um período e se isso vai ser tudo de uma vez só, como 21 dias seguidos, ou se você vai fazer várias paradas menores.

2. O que você vai fazer nas férias?

Planeje uma atividade, uma viagem para algum lugar que você goste ou queira conhecer, um encontro de amigas na praia ou na serra, vale até agendar um curso em outra cidade. Lembre que, como seu escritório fica na sua casa, pode ser difícil ficar em casa e não trabalhar.

3. Quem vai cobrir eventuais emergências?

Por mais que você adiante seu trabalho (pior parte de tirar férias quando você empreende na comunicação) é possível que alguma emergência na sua ausência. Quem vai resolver? Tenho duas sugestões. 

Você pode alinhar de cobrir as férias de uma amiga que trabalhe na mesma área, e aí uma cuida dos clientes da outra durante a ausência. Vocês combinam um valor por hora e, se acontecer alguma coisa, quem trabalha anota quantas horas foram necessárias para resolver a questão.

Ou você pode contratar uma outra freelancer para assumir o seu trabalho com um valor fechado para o tempo de ausência. Só não vale sair e ter que resolver emergências durante a sua folga, combinado?

4. Quanto dinheiro você precisa para as férias?

Essa é a parte mais simples e mais complicada. Como não recebemos de um empregador, precisamos fazer uma reserva no decorrer do ano. Então bora pensar em como serão as próximas férias, verificar o preço de passagens, hospedagens, passeios, freelancer para cobrir emergências, enfim. 

Somou tudo? Agora divida por 11 e você saberá quanto deve guardar por mês para fazer tudo acontecer. Recomendo guardar esse dinheiro de verdade, colocar na poupança ou aplicar em um CDB para não correr o risco de você querer usar esses valores antes da hora (o foco aqui não é rentabilidade, é tirar o dinheiro do alcance dos olhos. Para saber mais sobre como ter um relacionamento melhor com o seu dinheiro, leia a coluna da Fabi Machado, ela vai te ajudar!).

Pronto: você está preparada para organizar suas próximas férias. Elas são possíveis, necessárias e você merece esse descanso.

por Mariana Klein

Mariana Klein é professora universitária e consultora de marketing digital. Comanda a Petit Mídias Sociais e divide semanalmente aqui no Bella Mais o dia a dia do empreendedorismo.


compartilhe