capa
Mariana Klein

Você já disse 'não' hoje? Parece simples, mas não é

Mariana Klein destaca que desenvolver habilidades de negociação leva tempo

publicidade

Dizer não é uma arte que requer preparo e resistência, mas é mais que necessário para manter a sanidade no cotidiano.

Ser sua própria chefe envolve saber quais são os momentos certos para aceitar e negar. Quem trabalha com marketing digital, por exemplo, já recebeu uma proposta (ou várias) de você trabalhar em ritmo forte e ser paga em visibilidade. Esse é um dos casos em que um não bem dado faz maravilhas.

Parece simples, mas não é. Desenvolver habilidades de negociação leva tempo, depende de maturidade pessoal e uma série de outros fatores, que muitas vezes só podem ser resolvidos com ajuda de um profissional como um psicólogo. Mas vale a pena fazer esse caminho de descoberta, porque saber qual é o momento certo de se jogar em um projeto ou se retirar dele faz toda a diferença.

Dizer não é difícil porque, em primeiro lugar, podemos ter medo de como o outro vai reagir. Muitas vezes vamos pela vida aceitando várias situações não tão ideais por causa desse medo. O fato é que não temos como controlar o que as outras pessoas sentem e quais são as dificuldades delas.

É preciso se conhecer para entender qual é o seu limite e para aceitar que você não pode fazer todo mundo feliz (afinal, você não é um brigadeiro de churros).

O segredo é, então, trabalhar na sua confiança. Buscar caminhos para se especializar cada vez mais e entregar resultados cada vez melhores e ter a certeza de que você não é perfeita, mas está dando o seu melhor.

As relações precisam, acima de tudo, ser saudáveis. Uma parceria só é parceria quando é construtiva e boa para os dois lados envolvidos.

Para poder desenvolver relações saudáveis você precisa saber de seus limites. Quantas horas por dia você quer trabalhar? Quantos clientes de áreas diferentes você pode atender? Qual é o nível de cobrança que você está disposta a receber? Como você quer que as pessoas se comuniquem com você?

Já parou para pensar nisso tudo? Talvez não, até porque uma resposta que tenho ouvido com uma certa frequência é: "mas o meu concorrente aceita".

O fato é que sempre vai ter alguém que topa trabalhar mais por menos dinheiro, em condições desgastantes e de desrespeito. E sempre vai ter alguém que entrega resultado em troca de um pagamento que cobre a dedicação àquele cliente. De que lado você está?

Para analisar melhor as situações, costumo seguir um passo a passo:

72 horas

Esse é o tempo em que geralmente deixo ideias descansarem antes de tomar uma decisão. É claro que não é sempre que isso acontece, geralmente o que cai nessa janela são aquelas propostas que precisam de uma adequação minha e uma análise das minhas limitações;

Vai mudar a minha vida fazer parte?

Se pergunte o que vai te fazer mais feliz, se é embarcar nessa jornada ou é ficar de fora e ir ao parque tomar um sorvete. Faça isso durante as 72 horas.

Aonde você quer chegar?

Essa proposta se encaixa em alguma das suas metas estabelecidas previamente? Se não, pule fora já.

Você tem tempo?

Sempre leve em consideração as suas atividades atuais, para ter uma ideia de se essa nova empreitada cabe nas suas 24 horas diárias.

O que é importante para você?

Precisamos nos lembrar constantemente do que é mais importante para nós. Ficar com a família, viajar, ter tempo para ler ou para praticar uma atividade física, não importa o que é, mas você definitivamente precisa saber o que realmente move seu coração.

E, então, quando foi a última vez que você disse não?

por Mariana Klein

Mariana Klein é professora universitária e consultora de marketing digital. Comanda a Petit Mídias Sociais e divide semanalmente aqui no Bella Mais o dia a dia do empreendedorismo.


compartilhe