capa
Tamy Yasue

Intercâmbio também é lugar de fazer amigos. Este é Yousef da Arábia Saudita.

Intercâmbio: Aprendizados e vivências independente da idade

Nossa colunista Tamy Yasue dá dicas para quem quer fazer uma viagem de intercâmbio

publicidade

Quem gosta de viajar e se interessa por destinos internacionais fatalmente se depara com a barreira idiomática. Em todo o mundo, apenas 10 países falam português, enquanto 41 utilizam o inglês e 23 o espanhol. Com pouco tempo de estudo é possível ganhar vocabulário suficiente para cumprimentar, agradecer e fazer solicitações simples, mas quando partimos para discussões mais profundas ou queremos expressar uma ideia em outro idioma, necessitamos de um domínio mais amplo do idioma.

Este sempre foi meu problema com o inglês. Eu estudei espanhol nos meus tempos de escola e aprendi inglês com games, leituras e seriados. Nos últimos 2 anos estou estudando formalmente com professores brasileiros. Consigo viajar sem dificuldade, resolver problemas e participar de conversas comuns, mas sentia falta de uma vivência mais profunda e por isso resolvi passar um tempo no exterior estudando inglês.

Estou há 3 semanas na Cidade do Cabo, África do Sul, estudando inglês em uma imersão de 25 horas semanais e o que posso dizer até o momento é que os resultados são imediatos. Tenho colegas de escola que chegaram falando apenas “hello” e em 3 meses conseguem acompanhar e compreender uma conversa sem dificuldade. No meu caso, consegui avançar o suficiente para argumentar e discutir assuntos com a mesma clareza que tenho em português. Até o momento o que posso dizer é que foi definitivamente a melhor escolha que eu poderia ter feito em relação ao inglês.


Aprender sobre as mais variadas culturas e conviver com diferentes costumes é uma lição de vida. 
 

Dicas para quem pensa em fazer intercâmbio após os 30 anos:

• Pesquise escolas com o seu perfil. Algumas são mais voltadas ao público jovem, outras a testes como o IELTS, há também aquelas voltadas ao idioma técnico;

• Escolha uma cidade com o seu perfil e uma moradia que combine com seu estilo de vida. Eu, por exemplo, aluguei um apartamento pelo site Airbnb. Minha escola oferece residência para estudantes e casa familiar, mas como eu estou trabalhando à distância, preciso de sossego então escolhi ficar sozinha;

• Prepare-se, mas nem tanto. Devorar aquele livro cheio de gramática ou decorar a lista de verbos irregulares não será tão útil e você terá tempo para isso. Uma boa forma de se preparar é acostumar os ouvidos escutando podcasts ou assistindo seriados e filmes sem legenda. Ler também pode ser útil e editoras como a Pearson tem adaptações de livros clássicos para diversos níveis de inglês;

• Relaxe! A maioria das escolas oferece inglês a partir dos níveis mais básicos, então certamente haverá uma turma adequada para você.

Estou compartilhando um pouco das minhas vivências no meu Instagram @tamyoficial e nos destaques tem um item chamado “Intercâmbio”, onde você pode acompanhar minhas histórias. Também há um destaque chamado “África do Sul” onde compartilho dicas de turismo e lugares interessantes. Espero você lá e, se tiver alguma pergunta, ficarei feliz em responder.


 A África do Sul é a escolha perfeita para quem ama animais.

Boa viagem!


compartilhe