capa

Pets também ganharão presente no Dia das Crianças

Segundo Sindilojas Porto Alegre, 11% dos entrevistados que têm pets vão comprar algo na data

publicidade

Mais que bichos de estimação, os pets são considerados hoje membros da família para muita gente. E alguns donos - ou pais de pets - deverão incluí-los até mesmo na lista de quem ganhará presente no Dia das Crianças. Segundo levantamento recente do Núcleo de Pesquisa do Sindilojas Porto Alegre, realizado com 462 consumidores, 11% dos respondentes que têm pets afirmam que vão comprar algo para dar a eles na data.

A pesquisa revela que a maioria (67%) pretende gastar até R$ 50 com o presente para os bichinhos e 33,3% devem desembolsar um valor entre R$ 51 e R$ 150.

Ao que parece, esse é um hábito bem comum para quem vê o bichinho de estimação como um verdadeiro filho. A chef de cozinha vegana Aline Andueza, "mãe" de Avelã, uma cachorrinha sem raça definida de dois anos e dez meses, conta que os mimos em datas como o Dia da Criança são, na verdade, uma forma de retribuir todo o carinho que o bichinho dá.

"Ajudo algumas ONGs de animais, e no minuto em que vi a foto dela pela internet foi amor à primeira vista, sabia que precisa adotá-la. Quando fomos buscá-la foi a maior alegria e desde o minuto que ela entrou nas nossas vidas tudo mudou", conta. 

Tratada como um membro da família, Aline revela que Avelã ganha sim brinquedos em datas comemorativas, mas que aproveita o momento também para ajudar animais de instituições. "Em datas como aniversário, Dia da Criança, gostamos de fazer aquela "festa" em casa com ela, damos os brinquedinhos, mas também seleciono os antigos e faço essa troca, pego cobertores e doo a alguma ONG", conta.

Brinquedos e roupas

Além dos pets, estão na relação de possíveis presenteados no Dia das Crianças, segundo o levantamento do Sindilojas, filhos, afilhados, sobrinhos, irmãos, crianças carentes, enteados, primos e filhos de amigos. Brinquedos (63,3%) e roupas (47%) devem ser os produtos mais procurados, seguidos de eletrônicos (11,9%), calçados (10,2%) e artigos esportivos (4,1%). 

O levantamento revelou que devem ser comprados em média 3,8 itens por pessoa, com ticket médio em torno dos R$ 135. A projeção é que a data movimente cerca de R$ 238 milhões no comércio da Capital, 12,7% a mais que os R$ 205 milhões estimados em 2018.


compartilhe