capa
Moda & Beleza

Riccardo Tisci deixa sua marca no desfile da Burberry em Londres

Batizada de "Evolution", coleção se inspirou na era vitoriana com formas ajustadas na cintura e mangas elaboradas

publicidade

O italiano Riccardo Tisci deixou sua marca em seu terceiro desfile para a Burberry, celebrado nesta segunda-feira (16) em Londres, no qual revisitou seu emblemático 'trench' e acrescentou um toque de estilo casual, sua especialidade.

Tisci deixou a Givenchy para assumir a sucessão de Christopher Bailey na Burberry em março de 2018, com a missão de dar novo impulso à casa, fundada em 1856, e aproximá-la dos milenials, os nascidos entre 1980 e 2000.

O estilista italiano, de 45 anos, parece ter encontrado o equilíbrio um ano depois de seu primeiro desfile na Semana da Moda de Londres.

"Na primeira temporada, praticava as letras, o alfabeto; na segunda, começava a escrever, e nesta temporada, tenho a impressão de escrever um livro - bom ou ruim - sobre o que faço na Burberry", contou Riccardo Tisci à AFP nos bastidores de seu show.

Para este desfile, um dos mais aguardados da Semana de Moda de Londres para a primavera-verão 2020, a Burberry ocupou o Troubadour White City Theatre, uma casa de shows no oeste da capital britânica. No centro da sala foram instalados grandes retângulos de vidro, com enormes alto-falantes brancos.

A coleção, batizada "Evolution", se inspirou na era vitoriana, quando a marca surgiu, com formas ajustadas na cintura e mangas elaboradas.

O famoso trench cor cáqui, marca registrada da grife britânica, aparece revisitado: em estilo levita, curto na frente e longo atrás; com falsa saia ou forrado em seda.

Para elas, a marca apresentou vestidos de renda com mangas exageradamente amplas e camisas com mangas abertas na parte da frente ou com acabamento de plumas.

Para eles, ternos ingleses em tons de azul acinzentado ou areia, ajustados com cintos, além de parcas, conjuntos de calça e casaco com capuz e camisas de rúgbi com remendos.

No que diz respeito às cores, a Burberry se manteve na paleta mais clássica, com cinzas, pretos, beges, brancos e tons de ocre, rosa, vermelho e azul.

"Queremos permanecer no luxo, mas sem esquecer as ruas", disse o estilista, citando sua própria trajetória. "Venho de um mundo simples e não quero me esquecer de ninguém".

Caçula de uma família de nove filhos - dos quais foi o único menino -, Riccardo Tisci perdeu o pai com apenas 4 anos e aos 17 foi para Londres, onde estudou na prestigiosa escola de moda Central Saint Martins.

Para ele, a "geração jovem" busca peças com uma "identidade forte" e que sejam acessíveis. "Querem moda, preços e produtos que durem muito tempo", diz o estilista.

Por Pauline FROISSART © Agence France-Presse


compartilhe