capa

Foi criticada no trabalho? Saiba como lidar com a situação

É importante fazer uma análise e estar aberta a compreender o porquê da conversa

publicidade

O ambiente de trabalho, principalmente em grandes corporações, pode, muitas vezes, tornar-se um lugar de alta competitividade. Destacar-se nesse meio requer, além de competência e pró-atividade, muito jogo de cintura - e isso inclui lidar com as críticas e tirar o melhor proveito delas. Mas como você reage a feedbacks inesperados? E como saber quando as reclamações estão virando perseguição?

Antes de mais nada, é importante fazer uma boa análise sobre a crítica recebida e estar aberta a compreender o sentido da conversa, conforme orienta o psicólogo e especialista em gestão de pessoas Alex Begnini. "A partir disso, se a crítica foi bem esplanada, foi bem recebida, temos uma concordância entre as partes. E é importante desenvolver uma ação que vise a mudança da situação", orienta.

Lembre-se que parte do trabalho também é aceitar os feedbacks que lhe são direcionados. "São essas conversas que poderão promover um direcionamento mais assertivo e efetivo na condução e realização do trabalho. Quando o funcionário não concorda, ou não percebe as críticas que recebeu, é importante pedir que citem exemplos de casos que ocorreram", destaca o profissional. 

Se, mesmo diante da mudança, as ponderações negativas seguirem ocorrendo é de bom tom promover uma nova conversa em que os dois lados pontuem o que foi feito e o que se tem percebido. Além disso, Begnini ressalta que se há por parte do funcionário a certeza de que está sendo perseguido, ou que as críticas são recorrentes e infundadas, ele deve buscar auxílio de alguém dentro da empresa, primeiramente, que possa auxiliar e orientar como proceder.

Aproveite o máximo do feedback

Teve um feedback inesperado? Que tal trabalhar para que o trabalho seja mais reconhecido e valorizado? O especialista ressalta que é sempre importante ter muito claro o propósito, objetivos e metas de cada trabalho. "As tarefas precisam ser bem definidas e alinhadas junto à empresa e o superior direto. Além disso, sempre é visto com bons olhos a pró-atividade de qualquer funcionário, ainda mais em dias difíceis de crise e com muita concorrência profissional. Então, sempre que possível for, sugiro buscar novas oportunidades, propor novidades, ou até mesmo fazer algo a mais do que o esperado. Afinal, todos gostamos e passamos a ter uma nova visão e até mesmo relação quando somos surpreendidos de forma positiva por algo que vai além do esperado, e no trabalho não é diferente", indica Begnini. 

Quando as críticas viram assédio moral

Mas como saber se as ponderações chegaram ao exagero, ou mesmo viraram assédio moral? O psicólogo e especialista em gestão de pessoas esclarece que se forem pareceres sem fundamentação, ou, ainda, que exponham o funcionário a uma situação constrangedora, humilhante ou vexatória, pode se configurar um assédio moral.  "Essas situações ou críticas podem ser de diversas ordens, não apenas ao trabalho e à produtividade, mas também por aspectos pessoais, comportamentais, ou até mesmo físicos da pessoa", explica. 

Por um ambiente de trabalho mais leve

Mesmo com alguns feedbacks ruins, há maneiras de deixar o dia a dia no ambiente corporativo mais leve. É importante sentir prazer no trabalho e procurar se envolver com as tarefas. Outra dica: sempre cultive uma boa relação para com todos, independentemente da hierarquia. "Costumo dizer que um bom currículo atrai num primeiro momento para uma oportunidade de trabalho, mas é nas relações, no comportamento diário que se define quem permanece ou não nas empresas", comenta. 

E, claro, é preciso sempre muito diálogo. "Conversar, perguntar, propor, sugerir, pedir orientação, ajuda, discutir estratégias e sinalizar como se sente. Por mais difícil e temeroso que possa ser dizer que não está bem, ou que não conseguirá realizar uma tarefa, é ainda mais delicado quando nem tentamos buscar ajuda para ao menos tentar concretizá-la", finaliza o profissional.


compartilhe