capa

Daniela trocou a carreira de advogada e hoje trabalha como Personal Organizer

Mudança de carreira requer entrega e planejamento

Especialista dá orientações para quem está pensando em mudar os rumos profissionais

publicidade

Pense na seguinte situação: você está há algum tempo em um determinado ramo de trabalho e se vê de certa forma "estagnada", ou simplesmente não se sente mais desafiada na profissão. Nesses casos, por que não mudar? Partir para novos ares profissionais pode parecer arriscado em um primeiro momento, mas com uma boa orientação, talento e fazendo o que se gosta, tudo tende a funcionar, certo?

Bella Mais conversou com a Mestre em Ensino, especialista em Gestão de Pessoas e coordenadora do Curso Técnico em RH no Senac Saúde Livia Paim, para mostrar que é possível sim partir para novos caminhos profissionais e obter sucesso. Veja as dicas a seguir.

Livia conta que mudar a carreira ou direcioná-la para outro foco é uma das ações mais comuns do mercado atual. "A mistura entre encontrar a realização profissional com a pessoal e a vontade de entender o propósito são para muitos os principais argumentos para sair da zona de conforto e mudar a direção da carreira" comenta.

E ela lembra que, em um mundo tão diverso e cheio de oportunidades, optar por qualidade de vida e trabalhar menos, por exemplo, não é sinônimo de ser improdutivo. "Bem pelo contrário, da mesma forma que há aqueles voltados para o social e socioambiental, produzindo menores quantidades e garantindo a sustentabilidade de todos os processos, há aqueles viciados em trabalho, workaholics, um fenômeno nos dias atuais. Ou seja, não tem mais e melhor, você molda a sua carreira a seu jeito e está tudo bem", avalia.

É preciso planejamento

Mas a especialista avisa: antes de mudar, é preciso se conhecer, fazer um planejamento, investigação, empenho e, principalmente, entrega. "Não basta mudar a direção da carreira porque a nova área apresenta demanda e oportunidades de empregabilidade. No momento da entrevista o que ganha a vaga é o brilho no olho. E isso também vale para o empreendedor. No momento da venda o que conquista o cliente é a experiência que ele possui ao entrar em seu estabelecimento", destaca.

E pode colocar no pacote, além de muita coragem e empenho, a atitude faz toda a diferença. "Essa palavra é chave. E isso implica em receber não - não do cliente, não do empregador e outros 'nãos' que podem aparecer. Se você tem estrutura, um plano de negócios que te deixa seguro sobre as ações, etapas e investimentos que devem ser feitos, tenha certeza de que o caminho é certo", avisa.

Informe-se sobre a nova área

A profissional ressalta que hoje existem tantas funções e profissões novas que não é necessário investir de cara em uma graduação, por exemplo. "Comece participando de eventos sobre o assunto de seu interesse, palestras, workshops. Utilize as redes sociais e faça parte de grupos com pessoas que possuem o mesmo interesse que você", sugere.

Fazer um curso técnico para experimentar a prática da profissão, ou, ainda, ser voluntário em instituições que apoiam a comunidade também podem ajudar a reafirmar a área que se esta buscando.

O problema é a dúvida de qual profissão seguir? A dica de Livia é buscar conhecimento. Fazer uma consultoria com um coach e participar de eventos e palestras podem ser boas opções. 

De advogada a personal organizer de sucesso

Daniela Longaray Simas, 44 anos, moradora de Porto Alegre, sempre sonhou em ser advogada. Estudou para atingir o objetivo e chegou a trabalhar em um dos melhores escritórios do país, onde ficou por alguns anos. "Minha rotina era estressante, tinha enxaqueca seguidamente. Anos se passaram, mudei de cidade e escritório, casei e continuei advogando", conta.

Tudo mudou, contudo, a partir do nascimento do primeiro filho em 2010. "Comecei a questionar se eu queria advogar pelo resto da vida, pois a rotina começou a ficar fora do meu controle. Passei a não gostar mais do trabalho e percebi que não estava feliz. Afinal, eu sempre quis ser mãe e não estava conseguindo dar atenção ao meu filho, tendo que deixá-lo com uma babá já pela manhã", lembra. 

Com a gravidez do segundo filho, veio a certeza: aquela rotina não servia mais. "A decisão eu já tinha tomado, faltava a coragem para largar. Refleti muito, fizemos cálculos, e meu marido disse que, por um período, ele poderia assumir até eu decidir o que iria fazer."

Mesmo ouvindo de todos os lados que estava jogando fora anos de estudo e trabalho, Daniela contou com o apoio do marido para mudar de rumo. Agora vinha a nova questão: que carreira seguir dali para frente?  

"Assistindo a um programa de TV sobre organização percebi que aquele meu dom de estar sempre organizando a casa, organizando os armários, de sempre dar dicas e tentar facilitar a vida dos outros, poderia se transformar em um trabalho", conta.

A partir disso, Daniela foi atrás de cursos profissionalizantes na área de Personal Organizer (ou profissional de organização). "Antes de finalizar o último curso, uma amiga me disse que seria a minha primeira cliente. Com esse estímulo, conclui o curso e fui organizar toda a casa dela. O resultado ficou lindo e durante o processo tive a certeza que a organização residencial seria o meu novo ofício", relembra.

"Minha trajetória trouxe bagagem para o ofício atual"

Tendo se tornado uma Personal Organizer de sucesso cinco anos depois, Daniela conta que o primeiro ano com a nova função não foi fácil. Ela ainda chegou a conciliar com alguns processos judiciais em aberto no período. "Foi somente no final do segundo ano que passei a ter clientes com maior frequência e somente no terceiro ano minha agenda começou a ficar cheia de clientes", relembra.

Atualmente contando com uma equipe de trabalho, a Personal Organizer acredita que tudo valeu a pena. "Hoje, olho para trás e vejo que não mudaria nada. Faria tudo igual, passando pelo Direito novamente. Toda aquela trajetória foi essencial e trouxe bagagem para o meu ofício atual. A minha rotina atualmente é muito corrida, mas eu faço o que eu amo e consigo remanejar a minha agenda de acordo com as minhas necessidades e compromissos de esposa, dona de casa e mãe de dois meninos", avalia.

Dê o restart agora!

Veja algumas dicas da Mestre em Ensino e Especialista em Gestão de Pessoas Livia Paim para quem pensa em mudar os rumos da carreira.

1. Não tenha preconceito com você! 

Se quiser fazer algo que muitos reprovariam, mas você acha que deve fazer, experimente. "O máximo que pode acontecer é você gastar seu tempo e algum dinheiro, mas a certeza é impagável. Você pode descobrir o que quer ou o que não quer fazer com isso", destaca Livia.

2. Além do network, é importante 'stalkear'

Investigue as pessoas que podem colaborar para sua descoberta, o seu aperfeiçoamento e possíveis parceiros de negócios. "Sempre falamos do Linkedin como uma rede social para conectar pessoas interessadas em negócios. Você pode fazer parte de grupos de interesse, receber conteúdo interessante e inovador voltado para a sua preferência", sugere.

3. Inove e crie oportunidades

"Em um mundo tão dinâmico, em que as coisas, produtos e serviços se tornam obsoletos cada vez mais rápido, se faz necessário pensar sempre em melhoria, em diferencial competitivo", finaliza a especialista.

 

por Gabriela Loeblein

Gabriela Loeblein adora moda, é apaixonada pela diva Madonna e é mãe de três peludos. É jornalista e está sempre atrás de novidades em tendências e make. @gabiloeblein


compartilhe