capa

Crise sanitária pode empurrar 86 milhões de crianças para a pobreza

Segundo levantamento da ONG Save the Children e do Unicef as regiões mais afetadas são a África subsaariana e o sul da Ásia

publicidade

A crise provocada pela pandemia do novo coronavírus pode empurrar mais de 86 milhões de crianças para a pobreza até o fim do ano, segundo um estudo conjunto da ONG Save the Children e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). 

Se a previsão se cumprir, o mundo terá 672 milhões de crianças afetadas pela pobreza, 15% a mais que no ano anterior, informaram as duas organizações em um comunicado divulgado nesta quarta-feira (27). 

Quase dois terços destas crianças vivem na África subsaariana e no sul da Ásia. 

O aumento do número de crianças afetadas pela pobreza ocorreria sobretudo na Europa e na Ásia Central, segundo o estudo, baseado em projeções do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional e dados demográficos de uma centena de países. 

"A magnitude das dificuldades financeiras que as famílias enfrentam ameaça o progresso obtido durante anos para reduzir a pobreza infantil", disse Henrietta Fore, diretora do Unicef, citada no comunicado de imprensa. 

Com uma ação imediata e efetiva, "podemos conter a ameaça da pandemia que paira sobre os países mais pobres e algumas das crianças mais vulneráveis", disse Inger Ashing, diretora da Save the Children.  

As crianças são "muito vulneráveis aos períodos de fome, embora sejam curtos, e à desnutrição, pois podem afetá-los por toda a sua vida", advertiu no comunicado de imprensa. 

As duas organizações pedem aos governos que ampliem a cobertura de segurança social e alimentação escolar para limitar os efeitos da pandemia. 

AFP


compartilhe