capa

Máscara após máscara, Naomi Osaka protesta contra injustiça racial

Tenista vem usando a visibilidade do tênis para se engajar na luta pela justiça racial

publicidade

Naomi Osaka entrou no Arthur Ashe Stadium usando uma máscara que dizia Elijah McClain antes de sua vitória no US Open, na última quarta-feira (2), aproveitando o apelo global do tênis em sua luta pela justiça racial.

A máscara da jovem de 22 anos fez menção a McClain, um homem negro de 23 anos que morreu após um conflito violento com policiais de Aurora, no Colorado, em 2019.

“Acho que o tênis, as pessoas assistem em todo o mundo”, disse a jogadora em entrevista após a partida. “Coisas que pensamos serem nomes comuns provavelmente não são comuns no exterior”, declarou.

Ela já havia usado máscara em homenagem a Breonna Taylor, uma mulher negra morta por policiais que invadiram seu apartamento em março, em sua partida de estreia na última segunda-feira, e disse que tem sete máscaras diferentes para o torneio.

“Quando soube da história dele, foi muito doloroso”, afirmou Osaka mais tarde aos repórteres, quando questionada sobre McClain. Em uma ação movida no mês passado contra a cidade de Aurora e sua polícia, a família de McClain alegou que ele foi atacado por policiais durante um incidente, apesar de não apresentar nenhuma ameaça física.

“Ainda não acho que o nome dele seja muito divulgado em comparação com, tipo, George Floyd ou Breonna Taylor. Para mim, hoje foi muito especial a maneira como queria representá-lo”, declarou.

Osaka surpreendeu na última semana quando anunciou que desistiria da semifinal do WTA de Cincinnati em protesto contra a brutalidade policial e a injustiça racial nos Estados Unidos.

Agência Brasil


compartilhe