capa

Thayrine knoll está a frente de negócio que vende mais de 250 refeições por dia

Gosta de cozinhar? Confira dicas para empreender no ramo da gastronomia

Especialista destaca que é necessário planejamento e organização a fim de fazer o negócio dar certo

publicidade

O setor de alimentação tem um grande potencial de mercado em todo mundo, como comprova o estudo da Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel), que mostra um crescimento acima de 10% no mercado de gastronomia nos últimos anos - consequência provável da vida moderna do trabalhador, atrelada à falta de tempo. 

Segundo dados da mais recente pesquisa do IBGE (divulgados em abril deste ano), o brasileiro gasta cerca de 25% de sua renda com alimentação fora do lar. Vendo que os números só tendem a crescer, muitas pessoas têm vontade de investir no setor. Mas qual a orientação para quem vai mesmo se dedicar à área?

A nutricionista e professora da Gastronomia da Faculdade Senac Antonia Cunha lembra que, com ou sem crise em um país, as pessoas nunca deixam de comer, portanto, começar um negócio no ramo sempre será convidativo. "Porém, é necessário planejamento e organização para não ver o seu sonho de negócio em gastronomia fechando as portas em dois anos", ressalta.

Para quem pensa em se arriscar na área, a professora destaca que antes de mais nada os cozinheiros e empreendedores devem entender que um negócio deve ser pensado como um todo, com seus setores interligados. 

"O empreendedor deve saber muito bem qual papel desempenhará no negócio. Administrar uma cozinha não é somente saber cozinhar bem, é necessário gerenciá-lo por inteiro, desde a compra da matéria-prima à higienização. Portanto, conheça o que é necessário antes de abrir o negócio, ações estratégicas, elaboração de cardápios, finanças, marketing, regularizações e outras ações devem ser planejadas. Faça cursos da parte burocrática do negócio, porque cozinhar você já sabe", ressalta.

Negócio que veio do amor pela cozinha

Thayrine knoll, 30 anos, desde pequena sempre gostou de cozinhar e estar em volta de quem estivesse na cozinha. Com a ideia de fazer um dinheiro extra no hospital onde trabalhava, em 2012, começou a vender quiches. "Comecei vendendo 12 quiches por dia e em menos de um mês já vendia umas 100, era um sucesso. Fiquei conhecida pelas comidas deliciosas. Mas depois de alguns meses tive que parar, pois estava prejudicando os comerciantes que pagavam aluguel para vender no hospital", contou.

Foi quando aprendeu, assistindo a vídeos na internet, a fazer sushi, organizando eventos onde também era servida a iguaria. "Criei uma confraria em que vendia os ingressos aos amigos, aceitava encomendas de quiches, e assim fui indo, até ter a intuição de pedir para sair do meu emprego e montar meu próprio negócio de quentinhas."

Negócio que em 2015 começou de uma semana para outra, sem nome ou divulgação, apenas a vontade de Thayrine de empreender e de fazer o que amava: cozinhar. "Sempre muito inquieta, não esperei para divulgar, então no primeiro dia, com as panelas no fogo e nenhum cliente, comecei a ligar para os salões, comércio da volta. Apresentava-me, oferecia as quentinhas e dizia o cardápio do dia. E assim foi indo, de boca a boca", conta. 

Após uma semana de trabalho, nasceu a Tchê Quentinhas, em uma casa pequena, um fogão caseiro e duas panelas emprestadas. Thayane cozinhava, atendia e entregava. Hoje, o negócio conta com cozinha industrial própria e nove funcionários, vendendo mais de 250 refeições por dia. "Não tenho dúvidas o que me ajudou foi o amor pela minha profissão, muita persistência, pois as dificuldades são diárias; e muito foco. E buscar aperfeiçoamento, sempre", conta.

Para quem deseja empreender na área, Thayrine destaca que é preciso ainda planejamento e um plano de ação. "Como muitos, tive medo por conta da questão administrativa e muitas vezes tenho, mas hoje podemos contar com muitas consultorias, muitos cursos. Eu me formei em Gastronomia pelo Senac, o que me abriu muito a visão, pois dentro da cozinha também é preciso administrar. Um chef precisa administrar todos os processos. E também fiz muitas consultorias por meio do Sebrae ganhando grandes incentivos", avalia.

Empreender sim, mas com planejamento

Veja 3 dicas da professora da Gastronomia da Faculdade Senac Antonia Cunha para quem pensa em empreender no ramo da gastronomia.

1. Pesquise e defina seu público

Antes de arriscar, faça pesquisas para viabilizar o negócio ou o produto, e acima de tudo, defina seu público, localização e perceba se ele realmente sustenta a sua operação. "Venda o que seu cliente quer comprar. Observe o mercado, qual a demanda", elenca a professora.

2. Fique atento às regulamentações e à qualidade

Fique atento às regulamentações específicas da vigilância sanitária (Regramento sanitário). Alvará de funcionamento. Inspeção de Bombeiros, Normas trabalhistas. "Ter um produto com qualidade passa pela matéria prima, segurança do alimento, procedência e manipulação são algumas das questões que devem ser respeitadas", diz Antonia.

3. Faça por amor

"Persevere, todo início é difícil. Estude pessoas, saiba como atender e cultivar os seus clientes, seja lembrado pelo seu cliente. Aprenda como proporcionar uma experiência gastronômica, não se trata apenas de “vender comida”, finaliza a profissional.

por Gabriela Loeblein

Gabriela Loeblein adora moda, é apaixonada pela diva Madonna e é mãe de três peludos. É jornalista e está sempre atrás de novidades em tendências e make. @gabiloeblein


compartilhe