capa

Empresa de Bruna emprega hoje 23 funcionários

'Não se pode esperar que os outros façam pela gente'

Bruna Tossi Longarai começou a vender trufas para pagar o cursinho e o negócio acabou maior que a faculdade pretendida

publicidade

Ela fez da dificuldade financeira uma oportunidade de negócio e hoje pode se considerar uma empreendedora de sucesso. Bruna Tossi Longarai, 30 anos, começou fazendo e vendendo trufas para pagar as aulas do cursinho. Hoje, está à frente da Bruna Trufas, loja em Canoas que emprega 23 funcionários. 

No mês em que se comemora o Dia do Empreendedorismo Feminino, em 19 de novembro, o Bella Mais inicia uma série especial com mulheres que se arriscaram e fizeram o negócio dar certo.

As trufas, que no início, no ano de 2010, eram uma forma de renda extra para Bruna, deram tão certo que o curso de Direito, o qual almejava quando fazia o cursinho, aos poucos foi perdendo a prioridade. "Cheguei no cursinho e no primeiro dia já vendi bem. Pensei em levar três vezes por semana, mas no outro dia o pessoal já me pedia, então vi ali uma oportunidade realmente para manter o negócio, que não era bem um negócio, mas uma renda extra", relembra a empreendedora.

No ano seguinte, a então estudante de Direito recebeu uma bolsa integral na PUC e continuou fazendo as trufas como forma de renda. Em um determinado momento, o próprio marido de Bruna acabou saindo do trabalho para ajudá-la em vista do sucesso do negócio.

Quando a faculdade já estava 70% concluída, contudo, veio a certeza: o Direito, motivo pelo qual começou o negócio, já não fazia mais tanto sentido. "Lembro que olhei a grade curricular do Senac e achei a minha cara. Pensei bom, vou fazer marketing."

'Empreender nunca é garantido'

Assim, em 2016, Bruna abriu mão da bolsa integral que tinha na faculdade e foi fazer marketing e focar na carreira de empresária. Chegou a ter uma loja Canoas, onde mora, e em Porto Alegre, mas, após o nascimento da filha, optou em concentrar o trabalho apenas na primeira. Os negócios continuam prosperando e a loja, há três meses, foi ampliada.

Bruna destaca que entre as dificuldades do começo, estava fazer tudo praticamente sozinha até começar a delegar as funções. "Empreender nunca é garantido. O que me ajudou muito foi a persistência e estudar gestão. Isso foi bem importante porque eu era mais da cozinha e chegou uma hora em que vi que teria que sair dela para o meu negócio andar, pensar mais estrategicamente", avalia.

E ela atribui o sucesso, em parte, a ajuda que teve desde o início. "Posso dizer que tive uma rede apoio muito grande, tanto do meu esposo, quanto dos amigos. Então sentia que qualquer coisa que decidisse fazer da minha vida eu ia conseguir e isso faz toda a diferença", diz. 

E ela aproveita para dar a dica a mulheres que queiram empreender: cerque-se de pessoas que possam ajudar. "Eu vejo muito o relato de mulheres de falta de incentivo, de dificuldade de gerir, de ter pessoas que as coloquem para baixo. Então, realmente, acho que ter alguém que incentiva ajuda muito. Mas o principal mesmo é que a gente não pode esperar que os outros façam pela gente. A gente tem que buscar ajuda. Há muito curso online de graça, muita coisa boa disponível que a gente pode fazer em casa quando tiver tempo, então a minha dica é estudar", finaliza.

por Gabriela Loeblein

Gabriela Loeblein adora moda, é apaixonada pela diva Madonna e é mãe de três peludos. É jornalista e está sempre atrás de novidades em tendências e make. @gabiloeblein


compartilhe