capa

Como seu comportamento impacta nas finanças

Fatores emocionais e história de vida também afetam sua relação com dinheiro

publicidade

Finanças não são um assunto fácil. Segundo uma pesquisa realizada pela o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) seis em cada dez brasileiros não costumam se dedicar a esse assunto. A mesma pesquisa mostrou que 45% dos entrevistados não costuma comprar apenas o que está planejado ou resistir a promoções. Esses dados mostram como as dificuldades com dinheiro estão enraizadas na sociedade brasileira. 

No curso "Planejando as finanças com emoção", realizado em Porto Alegre nos dias 03 e 04 de março, os ministrantes Fabiana M. Machado e André Luiz Machado falarão sobre as atitudes que impactam na vida financeira. Para Fabiana, o comportamento é um dos fatores de maior importância para as finanças pessoais. "A abordagem comportamental diz respeito a forma com que a pessoa se relaciona com o dinheiro. Isso pode estar relacionado com estado emocional ou história de vida de determinada pessoa", ela explica. 

A relação com dinheiro começa com a criança observando os pais lidando com suas finanças. Dessa forma, os comportamentos citados por Fabiana representam as crenças criadas sobre dinheiro. Essa relação pode refletir em momentos de ansiedade, displicência, desorganização, vergonha e até mesmo medo. Um sentimento comum é a confusão sobre como o dinheiro foi usado, ou a dificuldade de dizer não para situações que demandam gastos. 

As planilhas e os cadernos podem não funcionar para todas as pessoas. Por isso essa abordagem, além de trabalhar a organização e o controle, busca lidar com essas situações deve partir de um local de autoconhecimento, segundo Fabiana. "É necessário entender o que o dinheiro representa. A pessoa deve estar disposta a olhar para a sua história e entender o que está por trás, tomar consciência de como essas ideias se formaram", ressalta.

Nesse processo de entendimento da relação financeira, a especialista indica pensar em três aspectos: gerar, gerir e usufruir. Essas palavras representam as etapas que o dinheiro passa nas nossas vidas. A forma como as pessoas ganham seu dinheiro ajuda a entender como elas vão gastá-lo. Gerir diz respeito a como a organização financeira é feita, essa é a etapa em que as pessoas costumam enfrentar problemas, como dificuldades para guardar dinheiro. Segundo Fabiana, a parte de usufruir não diz respeito apenas a juntar dinheiro para usá-lo com uma viagem ou algum outro objetivo a longo prazo. "Aproveitar o dinheiro também é usá-lo de com coisas que fazem sentido e tomar decisões saudáveis na hora de gastá-lo", ela explica.

A relação das mulheres com dinheiro

Os comportamentos financeiros impactam na vida de todos, porém com mulheres os fatores emocionais e a relação de poder podem influenciar de maneira negativa. "Temos falado muito sobre a independência financeira feminina, mas devemos também educar a independência", destaca Fabiana. "As mulheres são mais tímidas em relação aos seus ganhos e muitas vezes não acreditam que merecem ganhar o quanto ganha". Ela também ressalta que as mulheres costumam enxergar os gastos excessivos como uma maneira de se recompensar pelo esforço.

por Marina Gil

Marina Gil é apaixonada por arte e cultura em todas as suas expressões. É jornalista e adora moda, vinhos e literatura. @aquammarina


compartilhe