capa

As pessoas se apaixonam mais no verão?

Fomos investigar com especialistas os chamados amores de verão - aliás, você já encontrou o seu?


publicidade

Músicas, poemas e filmes sobre o assunto não faltam. Todo mundo já ouviu esse tipo de história: uma viagem de férias que resultou em um relacionamento; um amor que começou no Carnaval. Nos homens, a exposição maior a vitamina D pode aumentar os níveis de testosterona, segundo estudo publicado pela revista Clinical Endocrinology. Porém, os efeitos dessa estação em relacionamentos se mostram ligados também a fatores comportamentais e ambientais.

O antropólogo Clóvis Gedrat apontou que alguns comportamentos mudam nessa época do ano e podem influenciar na disposição das pessoas a entrarem em relacionamentos. "Em geral, não temos tempo disponível para relacionamentos com a nossa rotina de produção. No verão, mesmo com trabalho, a ideia de férias está no ar. Vemos as pessoas indo para a praia, os corpos mais expostos", ele explica. 

Segundo Gedrat, a possibilidade de viagens, a disponibilidade de tempo e até mesmo os hábitos adotados durante o período de férias despertam os instintos exploradores dos seres humanos. "Explorar o espaço social faz com que a gente abra os olhos para sensações e experiências buscando novos lugares, novas paisagens e, inclusive, novas pessoas", o antropólogo reflete.

Amor de verão pode dar certo?

Em uma de suas obras mais célebres, Sonho de uma Noite de Verão, Shakespeare falou sobre paixões e aventuras inspiradas pela estação. Na peça, os personagens principais encaram o lado obscuro do amor, que faz parte de todos os relacionamentos. No caso das paixões de verão, a distância e a rotina podem ser alguns dos fatores de conflito. "Um grande número de pessoas parece desejar uma convivência mais assídua, seja por insegurança ou por necessidade de um modelo de intimidade com um sistema de normas mais preciso. Nesses casos, a distância poderá ser um estressor provavelmente não contornável", comenta a psicóloga Rochele Castelli, especialista em terapia familiar e de casal.

Para outras pessoas, a distância pode ser um trunfo no relacionamento. O espaço que esse modelo de relacionamento confere pode ser importante para, por exemplo, pessoas com filhos ou em uma carreira que demanda muito. A psicóloga ressalta que uma relação saudável precisa de reconhecimento mútuo, respeito e validação da individualidade. "Se os parceiros tiverem o mesmo desejo e estiverem em momentos semelhantes do ciclo de vida, esta relação provavelmente funcionará para ambos. Isso significa manter espaço para satisfação e desenvolvimento pessoal, respeitando o espaço do parceiro", ela conclui.


compartilhe