capa

Campanha ajuda mulheres vítimas de violência doméstica no Estado

Ao pedir uma máscara roxa nas farmácias, mulheres serão encaminhadas para atendimento da Polícia Civil


publicidade

O isolamento social devido à pandemia de coronavírus fez com que uma realidade já existente se tornasse ainda mais alarmante: o feminicídio. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, durante o mês de abril, o número de casos no Rio Grande do Sul teve um aumento de 66,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Uma das medidas para auxiliar no enfrentamento à violência contra as mulheres no RS é o lançamento da Campanha Máscara Roxa, com a participação da Polícia Civil.

A partir da iniciativa, mulheres vítimas de violência doméstica poderão denunciar casos de agressões nas farmácias que tiverem o selo “Farmácia Amiga das Mulheres”, durante o período de isolamento social. Ao chegarem no estabelecimento, elas devem pedir a máscara roxa, que é a senha para que o atendente saiba que se trata de um pedido de ajuda. 

Os profissionais - que já estão recebendo capacitação online para o procedimento e para garantir a segurança da vítima - dirão que o produto está em falta e pegarão alguns dados para avisá-la quando chegar. Após isso, passarão à Polícia Civil as informações coletadas, via WhatsApp, para que o órgão tome as medidas necessárias.

“O isolamento social tem sido mais um desafio no combate à violência contra a mulher. Por isso, novas ferramentas foram lançadas pela Polícia Civil como a ampliação da Delegacia Online para registros de fatos de violência doméstica e a criação de um número de WhatsApp para denúncias – 51 98444 0606. O serviço digital de denúncias fará parte da campanha, engajando a sociedade no enfrentamento à violência contra as mulheres”, explica a Chefe da Polícia Civil, delegada Nadine Anflor. 

A campanha é uma iniciativa do Comitê Gaúcho ElesPorElas, da ONU Mulheres. “É uma ação para salvar vidas. Os casos de violência contra as mulheres aumentaram no período da quarentena, mas há subnotificação, visto que as mulheres não conseguem sair para ir à delegacia. Até mesmo fazer uma chamada para o 180 passa a ser arriscado pela proximidade constante com o agressor”, explica o deputado estadual Edegar Pretto, coordenador do Comitê. 

A rede Farmácias Associadas é a primeira a ingressar na iniciativa. Além das farmácias que já estão na campanha, outros estabelecimentos podem aderir. Interessados devem contatar o Comitê Gaúcho ElesPorElas pelo telefone (51) 99199 3641 ou através do e-mail comite.gaucho.elesporelas@gmail.com.

 


compartilhe