capa

Comunique-se melhor e evite problemas de relacionamento

A psicóloga Monique Tassinari dá conselhos para se comunicar de maneira mais efetiva

publicidade

Nos comunicamos o tempo todo e a cada dia que passa consumimos mais informações. Vídeos, imagens, textos... Pode ser na palma da mão, no celular; nas placas de rua; na tv; em livros, revistas ou jornais; conversando com as pessoas com quem convivemos. A neurocientista Maryanne Wolf afirma, no livro O cérebro no mundo digital, que uma pessoa consome, em média, o equivalente a 34 gigabytes de dados em vários dispositivos durante um dia. Isso equivale a cerca de 100 mil palavras "processadas" diariamente: é como se nós lêssemos um livro por dia. 

O grande problema é que a forma como lidamos com estas informações que inundam o nosso cotidiano não é contínua, constante ou concentrada. Conversamos com nossos pais ao mesmo tempo que respondemos uma demanda de trabalho no WhatsApp. Assim, estamos nos comunicando de verdade? Estamos realmente atentos e captando os sinais, as mensagens, que as outras pessoas querem nos transmitir?

Não há como não pensar na família quando analisamos a forma como nos comunicamos com as outras pessoas. "A família é o nosso primeiro contato com as relações. É nela e com ela que entendemos o espaço que temos no mundo, que aprendemos a nos relacionar, que damos e recebemos limite e afeto, que aprendemos as primeiras estratégias de comunicação", explica a psicóloga Monique Tassinari. 

Monique destaca que para se comunicar de forma efetiva é essencial, primeiramente, saber ouvir e saber falar. "Partindo deste princípio básico já minimizamos as brigas que podem ocorrer", destaca. A psicóloga dá outras 7 dicas de comunicação que podem auxiliar em qualquer relacionamento: 

1. Tente ser o mais breve no que quer dizer, evitando comentários vagos e agressivos;
2. Resumir uma pessoa a rótulos como egoísta, irresponsável, entre outros, é um entendimento genérico que não transmite as suas necessidades, apenas afasta o outro;
3. Não seja absoluto, usando expressões como "sempre" ou "nunca". é o mesmo que rotular, esse tipo de afirmação distancia ainda mais a outra pessoa;
4. Confirme o que ouviu: perguntar se "você está tentando me dizer que...?" é melhor do que entender errado o que o outro disse;
5. Você acha que está sendo interpretado de forma incorreta? Fale mais, explique os seus motivos e tente mostrar evidências para facilitar o entendimento;
6. Não tenha medo de pedir desculpas caso mude de opinião durante a conversa;
7. Dê um tempo. Não responda se estiver de cabeça quente; nessas situações normalmente falamos sem pensar, que pode resultar em arrependimento.

Monique acredita que estas dicas podem ajudar a melhorar a comunicação nas relações em geral, especialmente nas relações familiares. Por fim, ela recomenda: "se as brigas continuarem recorrentes e a comunicação ainda não fluir, é possível recorrer a um acompanhamento profissional. Na psicologia há uma área específica, a Terapia Familiar, que pode auxiliar bastante na resolução e mediação de conflitos", indica.


compartilhe