capa
Relacionamentos

Dia do Voluntariado: sempre há uma forma de ajudar quem precisa

Exemplo é o Banco de Alimentos, que trabalha duro para diminuir a fome de quem precisa

publicidade

Neste 28 de agosto é comemorado o Dia Nacional do Voluntariado. Pequenos gestos que podem fazer a diferença na vida de milhares de pessoas. Seja doando alimentos, roupas ou até mesmo o seu tempo disponível. Assim é o trabalho voluntário. Há sempre alguém precisando de ajuda e muitas vezes a solução está mais perto do que imaginamos. Um exemplo: você conhece o Banco de Alimentos da sua cidade?

A Rede de Bancos de Alimentos do Rio Grande do Sul foi criada no ano 2000 e atualmente possui 22 Bancos de Alimentos que abrangem 34 cidades gaúchas - com certeza alguma delas é perto de você. Os últimos meses, embora difíceis, acabaram tocando a população de alguma forma. Segundo presidente da entidade, Paulo Renê Bernhard, a pandemia “enraizou” a cultura da solidariedade na população. “Nesse momento crítico, com a grande demanda de alimentos por parte da população carente, também aumentou a necessidade das pessoas se unirem para fazer o bem. Estamos recebendo inúmeros voluntários, principalmente para ajudar na montagem de cestas básicas nas nossas instalações e entrega nas entidades beneficentes”, declara.

De acordo com Benhard, as pessoas também estão encontrando novas formas de ajudar os Bancos de Alimentos. “Grupos estão se unindo para realizar campanhas de arrecadação de alimentos em seus condomínios, academias e empresas; músicos e artistas estão fazendo lives em prol dos Bancos de Alimentos doando seu tempo e talento; influenciadores e pessoas comuns estão ajudando a divulgar o site de doações para que todos possam fazer doações sem precisar sair de casa; enfim, a pandemia está unindo os nossos voluntários e também trazendo novas formas de atuação nessa área”, explica. 

O presidente reforça que, apesar dos muitos recursos, o Brasil ainda é um país com uma desigualdade chocante: milhares de toneladas de alimentos vão para o lixo diariamente, enquanto milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar, sendo privadas de alimentos e passando fome. “O nosso lema ‘Levar alimentos e esperança’ traduz a missão do nosso voluntário, que não aceitando essa situação, essa triste realidade, busca ajudar aqueles menos favorecidos com o básico para a sobrevivência humana, que é o alimento”, destaca.

Experiência transformadora

Mas afinal, por que praticar o voluntariado? Os voluntários oferecem o seu tempo e suas habilidades, recebendo em troca a certeza de que estão ajudando aqueles que mais precisam. “Essa é uma experiência transformadora, gratificante, que traz um novo olhar para aquele que doa o seu tempo, além de oferecer ótimas oportunidades de amizade,  networking e de desenvolver as suas habilidades”, ressalta Benhard. “Todo o trabalho voluntário faz uma grande diferença na vida do beneficiado e daquele que doa o seu tempo para o bem”, complementa.

Ainda não é voluntário e quer começar? A primeira dica é encontrar uma causa com a qual você se identifica, que mexa com você, e saber quanto tempo disponível você dispõe para ajudar uma instituição de forma responsável. “Muitos dos nossos voluntários chegam através de clubes de serviços como Rotary e Lions, grupos de escoteiros, funcionários de empresas, universidades, colégios, ou conhecem a nossa causa através das redes sociais ou da mídia e se unem a nós”, explica o presidente.

Como ajudar o Banco de Alimentos

Somente nesse momento de pandemia (março a agosto de 2020), a Rede de Bancos de Alimentos já doou 2,4 milhões de quilos de alimentos para entidades carentes e vítimas da Covid-19. No ano de 2019, a entidade contou com cerca de 10 mil voluntários - mas sempre há espaço para quem quiser ajudar.

Os interessados podem entrar em contato através do e-mail bancossociais@bancossociais.org.br e informar seu desejo de fazer parte dos voluntários da Rede.

 


compartilhe